Publicado em Deixe um comentário

Diante do espelho

Quem trabalha com estratégia descarta a intuição? Se fizer isso, errará muito. Mas, para não descartar e, ao contrário, trabalhar a intuição como elemento de estratégia, precisa entender o que ela é, exatamente. 

Daniel Kahneman, Prêmio Nobel de Economia, autor de “Rápido e Devagar: Duas formas de pensar”, pode ajudar. Logo na introdução à obra ele afirma: 

“A psicologia da intuição precisa não envolve mágica alguma. Talvez a melhor declaração sucinta sobre ela seja a do grande Herbert Simon, que estudou mestres enxadristas e mostrou que após milhares de horas praticando eles passam a ver as peças no tabuleiro de modo diferente do resto de nós. Podemos sentir a falta de paciência de Simon com a mitificação da intuição especializada quando escreve: A situação forneceu um indício; esse indício deu ao especialista acesso à informação armazenada em sua memória, e a informação fornece a resposta. Intuição não é nada mais, nada menos que reconhecimento”. 

Ou seja, a intuição não é adivinhação mística, não é o “eu acho isso ou acho aquilo”, situação bem comum aos pedantes. Para ser intuição, um ato ou decisão precisa estar revestida com a experiência. Algo como: “Eu já vi isso antes”; “Já senti esse cheiro”, ou coisa parecida, que liga, num estalo, o processo de decisão. 

Numa campanha eleitoral a intuição poderá produzir boas decisões para situações que dependem de decisões rápidas. Numa campanha eleitoral, os experientes, depois de tanto praticarem, olham as peças no tabuleiro de modo diferente do resto das pessoas. Por intuição, sabem quando um candidato pode ir bem ou pode quebrar a cara. 

A minha intuição diz que quando a imagem do candidato difere daquilo que ele é na realidade, a chance de ele ser um dia descoberto e decepcionar é enorme. Collor, Jânio e há outros exemplos por aí. 

Diante do espelho, mas longe dele, as rugas não aparecem. À medida que o personagem se aproxima, aí começam os problemas. Por essa razão que existe a desilusão na política. 

Durante a campanha, geralmente, o candidato se apresenta para você com a comunicação muito bem feita, organizada. Você vota naquele personagem, naquela imagem. Eleito, quando começa a governar, os holofotes são voltados para ele, aí entra a decepção. 

Mas tem o outro lado também. À medida que você se aproxima do espelho, o candidato pode se tornar, surpreendentemente, mais belo e agradável. Vemos isso em campanhas. Casos daqueles que imaginamos não ter chance alguma e, com tempo, observação e analisando a biografia, sua opinião muda e você decide votar nele.

Por isso que é importante se trabalhar com essa visão e esse conceito de imagem. É quando entra a intuição também. Ela faz parte do processo de decisão, que são tomadas a partir das experiências que se tem. Para que não se erre na intuição, é fundamental que o candidato conheça a si próprio e tome as decisões.

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Imagem real ou virtual?

O governador do Estado do Rio de Janeiro invadiu o campo no jogo final da Taça Libertadores, ajoelhou-se diante de um dos jogadores e beijou-lhe a mão. O governador tinha uma faixa em torno do pescoço e uma camisa por baixo do paletó, ambas do Flamengo. O jogador tratou o governador com desdém. A imagem do ato correu o mundo criticada. 

Teve gente que disse sentir “vergonha alheia”, mas também pessoas que não se incomodaram com isso, porque nada nos políticos as surpreende mais. Houve, do mesmo modo, quem, de boa memória, recordasse que  o governador, no início da campanha eleitoral, deixou claro e com orgulho o fato de ser torcedor do Corinthians. A declaração está na entrevista que ele concedeu ao repórter Alexandre Araújo, do Lance!. Ele disse literalmente: “Sou, desde criancinha, corintiano. Vivi o Corinthians na Era do Sócrates, por isso sou um grande democrata…”. 

A cena do gesto do governador diante do jogador do Flamengo acendeu em mim a lembrança de uma passagem do livro “1808”, do historiador Laurentino Gomes, que, recentemente, entregou aos leitores outra boa obra, “Escravidão”, que comecei a ler. 

Laurentino descreve no 1808, por citações, o ritual do “beija-mão”  na Corte de D. João VI. “Esse ritual”, diz ele, “Muito antigo, já tinha sido abolido havia bastante tempo pelas demais cortes européias, mas ainda era praticado em Portugal e pelos vice-reis no Brasil colônia”. 

Laurentino transcreve dois depoimentos sobre a solenidade. Escolhi um deles, o do cônsul inglês James Henderson: “As estradas que vinham da Cidade Nova, Catumbi e Mata Porcos ficavam repletas de oficiais e pessoas comuns, que pra lá se dirigiam em cabriolets, na garupa de cavalos ou a pé, todos à caça de alguma graça real. Quando as portas do palácio se abrem, acontece uma corrida promíscua para diante… Eles avançam numa mesma formação em direção ao andar superior, onde Sua Majestade está sentada, acompanhado de seus fidalgos (…). Era uma cerimônia que punha o monarca em contato direto com o vassalo, que lhe apresentava as devidas vênias e suplicava por alguma mercê”. 

Temos ali a imagem de um vassalo diante de um semelhante, que ele, no entanto,  julga ser seu soberano, alguém capaz de merecer todas as vênias e súplicas. Algo que passa longe das concepções de “um grande democrata da Era Sócrates”, porque alguém com tal concepção não aceitaria o papel de vassalo e menos ainda o de soberano. 

Somada a outras imagens que o governador tem produzido no mandato, aquela dele diante do soberano Gabigol, fecha o quebra-cabeças, de uma estratégia de comunicação. Garoto, eu gostava dos jogos de quebra-cabeças, onde você está obrigado a criar uma imagem completa juntando os pedaços dela embaralhados. É desse modo que se forma, na imaginação de todos, a imagem completa de alguém. 

Sem dúvida, o governador Witzel quer ser a imagem de representação da torcida do Flamengo na política. Como quis, por pouco tempo, ser a do Corinthians, pela figuração mental conveniente de ser um “grande democrata”. Cabe aqui, um desvio curto, para dizer que democratas não há pequenos ou grandes. Somos ou não somos. 

Para ser o flamenguista padrão que chegou ao Governo do Estado por méritos próprios, o governador beijou a mão de Gabigol e, antes, em outros jogos, tem sido visto em atos alucinados, como fez ao tentar, do campo, invadir a área dos torcedores em comemoração a uma vitória. 

No propósito de ser um flamenguista de sucesso na política, o governador não está sozinho, nem agora, nem no passado. Quase todo mundo gosta de tirar uma casquinha no sucesso dos outros. É vício da humanidade. 

Mas, ser somente líder político da maior torcida do planeta, não parece suficiente para o governador Witzel. Ele quer também a imagem de justiceiro, num estado em que o crime predomina.  Daí o vídeo da euforia no momento em que um atirador de elite matou o doente mental, que sequestrou um ônibus. Isso, também não parece suficiente, porque Witzel quer também a imagem do carioca apaixonado pelo carnaval. 

Ele tem conseguido o objetivo que persegue? A estratégia está correta? 

Isso é fato que precisa ser medido, mas a minha percepção é que não, por conta da ausência de um elemento fundamental na formação das imagens que perduram: a legitimidade de uma história pregressa, de um presente leal ao passado. 

Faltam ao governador as imagens de um passado que confirmem a imagem que ele quer ter no presente. Por exemplo, a imagem do torcedor de sempre do Flamengo, do carnavalesco de todos os carnavais e do combatente implacável contra o crime. Sem esses complementos será inútil o esforço do governador para alcançar a imagem que deseja. 

Sem legitimidade e fidelidade com o passado, a imagem de um político torna-se ato de puro oportunismo. Essa é outra lição importante da estratégia de formação de uma imagem na cabeça do eleitor: os pontos fortes são confirmados pela história, os pontos fracos são, muitas das vezes, aqueles dados como positivos por astúcia. Já se fez isso o suficiente para ensinar o eleitor a não ser enganado. Por isso, na política, os oportunistas estão deixando seus lugares vagos para aqueles que são autênticos, gostemos deles ou não. 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade

Por Jackson Vasconcelos