Publicado em Deixe um comentário

Olimpíadas. Falta apoio e sobra pouco caso

Uma pauta abordada pela ESPN nesta quinta-feira, 12, chamou a atenção. Não que o tema seja novidade, mas ele demonstrou que o caminho trilhado pelo esporte olímpico brasileiro parece piorar a cada ano que passa. Falta pouco mais de um ano para os Jogos do Rio e ainda me pergunto qual será o legado.

A matéria em questão fala do fim da equipe feminina de basquete de base do Botafogo, um time sub-15 campeão estadual em 2014. O clube, atolado em problemas financeiros que são amplamente divulgados pela imprensa, tinha um gasto aproximado de R$5 mil mensais com a modalidade em atividade. Cá entre nós, valor irrisório dentro da folha de um clube de porte como o Alvinegro. Porém, entendo (mas não necessariamente concordo) o corte necessário e urgente na coluna de despesas do clube. A prioridade é e deve ser o futebol, mas a falta planejamento da área estrangula todo o funcionamento da instituição e o interesse por soluções viáveis nas demais unidades de “negócio” do clube é inexistente. O Botafogo não é o único.

Contudo, o problema não se restringe aos clubes, ele é muito maior. Passa pelo governo, confederações, federações e também pela imprensa. Pela imprensa sim, porque pude acompanhar de perto, em dez anos como atleta de natação e mais sete anos como jornalista e assessora de esportes olímpicos, o descaso com as modalidades “não futebol”, seja nas categorias de base ou no profissional.

Não foram poucas as tentativas de emplacar pautas que enxergava como incentivadoras do esporte, na maioria das vezes sem sucesso. Isso estava dentro do meu objetivo sempre. Nas ocasiões menos constantes, em pautas vendidas ou por interesse dos veículos, tínhamos boas matérias. Mas, principalmente se tratando de gravações de TV, as marcas dos patrocinadores, independente da empresa, eram (e são) amplamente repudiadas, o terror dos cinegrafistas, que precisavam eliminá-las devido a ordens superiores.

Às vezes chegava a ser curioso. O assunto da gravação, bem comum nos esportes olímpicos, era a falta de investimento. Na entrevista, o atleta expondo a sua opinião, suplicando por apoio, e a câmera fechada em seu rosto para não “vazar” um boné, ou manga da blusa, ou qualquer outra coisa que tenha a marca do patrocinador. A situação segue assim, todos perdem, vai entender.

Pois bem, voltando à matéria excelente da ESPN, que trata muito mais da questão do apoio do esporte por parte do governo e seus investimentos, principalmente porque em 2016 o Rio de Janeiro receberá os Jogos Olímpicos, o fim da história é positivo e com a cara do Brasil. As ex-atletas do time de basquete do Botafogo agora representam a Associação Atlética Vila Isabel. O clube da zona norte abriu as portas e os comerciantes locais ajudarão com as despesas em uniformes e instalações. O retorno fica por conta da amizade, do amor, jeito que parece ser o melhor para resolver as coisas por aqui.

– O Pesadelo botafoguense vai virar um milagre na Vila Isabel, onde o povo toma conta do seu esporte (ESPN).

Por Livia Andrade

Foto: Divulgação Botafogo Oficial

Publicado em Deixe um comentário

Eleição é questão de estratégia

2015.1202.LudwigVonMisses

Na obra “Ação Humana” Ludwig Von Misses afirma que o ato de agir, de mover-se, “não é simplesmente uma manifestação de preferência (…). Aquele que apenas almeja ou deseja não interfere ativamente no curso dos acontecimentos nem na formação de seu destino”.

Diz mais: “O incentivo que impele o ser humano à ação é sempre algum desconforto. Um ser humano perfeitamente satisfeito com a sua situação não teria incentivo para mudar as coisas”. E diz ainda: “Para fazer uma pessoa agir não bastam o desconforto e a imagem de uma situação melhor. Uma terceira condição é necessária: a expectativa de que um comportamento propositado tenha o poder de afastar ou pelo menos aliviar o seu desconforto. Na ausência desta condição, nenhuma ação é viável…” .

Entender a lógica de Ludwig é obrigação para quem elabora os discursos que serão utilizados na formulação estratégica de uma campanha eleitoral. O candidato que está no Poder, para vencer novas eleições, precisa de eleitores que estejam satisfeitos com ele e, se isso, por qualquer motivo, não for possível, ele terá a obrigação de demonstrar que a alternativa trará desconforto maior. Uma situação do tipo “Ruim comigo, pior sem mim”, quando não for possível, o “está bom comigo? Então, pra quê mudar?”

Em 2013, Peter Siemsen desejou ser reeleito presidente do Fluminense Football Club. Boa parte dos eleitores estava formada por torcedores do time, que estava em péssimos lençóis. Fomos para o discurso do: “ruim comigo, estejam certos de que com eles será pior, bem pior”. Ele derrotou o seu adversário, o jogador ídolo do Fluminense, Deley, com um resultado massacrante.

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Sem marketing é difícil fechar as contas

A Consultoria BDO divulgou, no final do ano passado, a 7a edição do estudo sobre as marcas mais valiosas do futebol brasileiro e lá estão, entre os dados importantes, as receitas referentes a 2013, dos 24 maiores clubes.

A ESPN, no dia nove de fevereiro deste ano, publicou as projeções do Itaú BBA para as receitas e despesas de 12 dos 24 maiores, com o intuito único de anunciar o lucro admirável nas contas do Flamengo e o prejuízo espantoso nas do Corinthians.

Tomando como base de análise os 12 clubes citados no relatório do Itaú BBA, comparei os dados das duas demonstrações e verifiquei que:

  • Somente três apresentam receitas maiores para 2014 com referência a 2013: Flamengo, Cruzeiro e Palmeiras. Já, São Paulo, Fluminense, Grêmio, Inter, Santos, Vasco, Botafogo, Atlético-MG e Corinthians, perderam receita.
  • Exceto pelo Botafogo, que apresenta para 2014, uma receita de R$ 85 milhões, o Fluminense é, entre os 12, o clube com menor receita no período, R$ 113 milhões.
  • A interdição do Engenhão, está provado, pesou bastante nas contas do Botafogo, que perdeu 44,93% de receita no período. Em 2014, com receitas idênticas à 2013, o Botafogo sairia de um prejuízo estimado de R$ 10,2 milhões, para um resultado positivo de R$ 59 milhões.

Dos 12 clubes presentes no relatório do Itaú BBA, cinco devem fechar as suas contas com prejuízos.

Diante disso, volto à questão que tem sido o meu mantra: por que diabos os clubes de futebol não conseguem visualizar o marketing como fonte primordial de receita e ficam os seus dirigentes a lamentar as dificuldades para conseguir dinheiro.

– “Estudo de banco: Fla terá maior lucro de 2015; Corinthians, o maior prejuízo” (ESPN)

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Falta bom senso. O resto é “futebol clube”

2015.0202.ArtigoOGlobo

“A nova loteria é uma receita para fortalecer nossos clubes, manter nossos craques por mais tempo, valorizar o espetáculo e assim criar um círculo virtuoso no futebol brasileiro”- Orlando Silva, Ministro dos Esportes, quando foi sancionada a lei que criou a Timemania.

Há quem esteja feliz com o veto da Presidente ao artigo da Medida Provisória, que aliviaria a vida dos clubes de futebol. Nunca por ser contra a moleza, mas por querer que ela venha com punição para os reincidentes.

Neste ambiente estão o Bom Senso FC, Romário, Otávio Leite, outros personagens e papagaios de pirata. O grupo, fonte de boa parte das dívidas, devido às altas remunerações e indenizações que receberam alguns dos seus membros, quer impor aos dirigentes dos clubes, uma penalidade que o Estado nunca aplicou aos demais devedores contumazes. Embora sempre prometesse e ameaçasse. Em todas as suas instâncias, ele sempre premiou a inadimplência com novos parcelamentos e dispensa de multa e juros.

Independente do formato que se dê agora ao parcelamento e da inverdade de ele não conceder benefício fiscal, o prejudicado no final da linha é e sempre será o contribuinte, que paga os impostos com absoluta regularidade.

O mais engenhoso dos instrumentos é a Timemania, criada em 2006, pois deu aos clubes acesso direto a uma parte dos valores a pagar, representada pelas apostas. O que não evitou que, de 2009 a 2013, os 24 principais clubes brasileiros criassem quase 100% de dívidas novas (relatório recente da BDO Auditores Independentes).

Outra questão me traz para o tema: o comando dos clubes. Quem se arriscará a ser presidente de um clube se prevalecerem as 21 sentenças lavradas pelo senhor Otávio Leite, no projeto que ele fez seu? Os presidentes dos clubes não podem ser remunerados, não recebem salvaguardas patrimoniais e ainda colocam as suas imagens à execração pública, quando o time faz das suas. E, embora seja razoável admitir que as penalidades ficarão no campo da retórica sem prática, não se pode exigir que os candidatos a presidente confiem nos costumes de governos que adoram premiar inadimplentes.

Então, já que andam a pedir punição para os dirigentes, façam o serviço completo: reformulem a legislação do esporte, para permitir presidentes e diretores remunerados e a justa penalidade para os atos de irresponsabilidade na gestão. Outra providência conveniente será impor teto para os salários dos jogadores, comissões técnicas e para todo o resto. Acredito que a medida não agrade ao Bom Senso FC, por óbvio. Estamos diante de um bom momento para ousar.

Se não for assim, a chance de existir gente bem intencionada e competente na direção dos clubes é zero. E como, sem a presença do Cristo, os vendilhões tomam conta do templo, fica fácil saber que, o que já anda bem ruim por aqui, tem muita chance de piorar.

– Artigo publicado em  O Globo (“Falta de bom senso”)

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Dilma entra no BuzzFeed, mas pra quê?

2014.1308.DilmaBuzz

Não sei se foi por orientação da assessoria ou não, mas a candidata a presidência da república Dilma Rousseff teve um perfil criado no site BuzzFeed, um coletor de posts sobre curiosidades e listas.

Apesar de a postagem ter alcançado mais de quatro mil curtidas e mais de mil compartilhamentos, não acho que esse seja o mais adequado ambiente para a promoção da discussão política.

Será que isso representará o mesmo número de votos?

É uma boa discussão: curtidas em mídias sociais representam um bom resultado nas urnas?

Mesmo seguindo a linha editorial do site, abusando dos gifs animados e recomendando uma lista de motivos para votar na candidata do PT, o velho “estar por estar” em um veículo de comunicação não é uma estratégia de quem propõe um debate com o eleitor.

O BuzzFeed também foi utilizado na campanha que levou Obama à vitória, mas temos que entender que a estratégia por lá está muito mais ligada ao levantamento de fundos do que a captação dos votos dos eleitores.

– Campanha de Dilma cria postagem de apoio no Buzzfeed. (O Estado de S.Paulo)

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Cesar Maia divulga selfies de campanha via Tumblr

Cesar Maia estreia nova ferramenta na internet. (Divulgação / Site Cesar Maia)
Cesar Maia estreia nova ferramenta na internet. (Divulgação / Site Cesar Maia)

Cesar Maia, candidato ao Senado pela Coligação “O Rio em Primeiro Lugar” (PMDB, PP, PSC, PTB, PSD, SDD, PSDB, PPS, DEM, PMN, PTC, PRTB, PSDC, PEN, PRP, PTN, PSL e PHS), lançou mão de uma nova ferramenta digital para divulgar sua campanha: o Tumblr, mídia social mais voltada para promoção de imagens.

Maia utiliza a internet para interagir com o público desde 2005. No Tumblr, ele divulga um álbum só de selfies – fotos geralmente tiradas por celulares, que mostram a pessoa que as tira em primeiro plano, acompanhada ou não de outros participantes. Depois dessa ação, Cesar se autointitulou o “SElfieNADOR”.

O Tumblr do candidato do DEM (http://selfienador255.tumblr.com/) recebeu mais de mil acessos, em menos de uma semana.

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Será que hoje é diferente?

Dos bastidores, uma lição importante.

Terça-feira, 18 de outubro de 1994.

Dali a 11 dias, eu completaria 41 anos de idade. Era meio-dia e eu, exausto, já com fome, deixava o Edificio Orly, na Rua Marechal Câmara, Centro do Rio de Janeiro. Passei ali sete longos meses a tocar a campanha do deputado Rubem Medina. Ele vencera mais uma vez. Era a oitava consecutiva. O resultado foi apertado. Quase ele não chega. Mas, chegou!

Mal saí do prédio, um rapaz me abordou.

– Cara, roubaram muito voto nesta eleição. Tenho certeza que o deputado fez muito mais na minha região. Mais de mil votos a mais.
– O resultado tá de bom tamanho. Vencemos. Isso basta.
– Cara, eu não aceito isso. O deputado vai achar que eu não fiz o que prometi. Eu devo muito a ele.
– Esqueça, amigo. Assunto encerrado. Tô louco pra voltar à vida normal. Foi uma campanha pesada e cara; dificílima.
– Eu não cobrei nada. Só queria pagar o que o deputado sempre fez por mim.
– Mas, o deputado está feliz.
– Não está não. Tá muito puto, já me disseram.
– Mas, não com você.
– Foda-se se não é comigo! Eu sei que roubaram muito voto. Eu não aceito, porque roubaram votos que eu consegui pra ele.

2014.0408.MedinaJackson

Eu, cansado, depois de um dia difícil, doido pra ir pra casa, subir a serra, chegar a Teresópolis em tempo de almoçar com a família, depois de meses envolvido naquilo tudo, e um cara no meu pé. Ainda com a história de eleição roubada, só pra justificar os poucos votos que dera.

– Deixe eu ir, amigo. Foi bom ver você. Em nome do Medina, cara, muito obrigado por tudo.
– Não sei como você aceita isso sem brigar. Nós fomos roubados.
– E daí. Vencemos. Isso é eleição.

Dei-lhe um abraço. Segui viagem. Louco pra descansar e não pensar mais em campanha, em eleição, em coisa alguma.

Ainda haveria o segundo turno na eleição para Governador. Disputariam Marcello Alencar e Garotinho. Medina queria que eu estivesse na campanha. De jeito nenhum! Pra mim, aquela campanha acabara. Definitivamente acabara.

Cheguei em casa, os abraços da família, um banho frio, um jantar de início da noite, final da tarde e antes das oito da noite, cama. Acordei depois do meio-dia e passei o resto do dia tranquilo. Os telefones, não! Tocavam sem parar. Os filhos atendiam e diziam que eu não estava.

– Pai, estão dizendo que anularam a eleição dos deputados.
– Conversa! Isso não existe. Querem me fazer atender as ligações e entrar na campanha do

Marcello. De jeito nenhum.

Veio a noite. Não assisti à TV. Novamente, dormi cedo. Levantei às oito. Recebi os jornais. Lá estavam as manchetes:

“Fraude faz Rio ter nova eleição parlamentar”.

Começamos de novo. Uma nova eleição. Na segunda, a votação do Medina subiu muito, principalmente, na região trabalhada pelo rapaz que me abordou no dia em que fechamos o escritório de campanha.

Por Jackson Vasconcelos

Publicado em Deixe um comentário

Pensando fora da caixa

2014.2307.Whatsup
Paulo Souto lançou jingle de campanha pelo Whatsapp.

É fato que o mundo mudou e muito.

Com a comunicação não seria diferente. Novas tecnologias continuam em franca expansão e as mídias e redes sociais têm chamado mais a atenção dos políticos.

É o caso do candidato ao governo da Bahia, Paulo Souto (DEM), que aderiu ao uso da ferramenta de mensagens instantâneas Whatsapp para divulgar o jingle da sua campanha. Aqui.

Na política atual, há cada vez menos espaço para o lugar comum.

O que você, candidato, está fazendo para surpreender seus eleitores?

Por Jackson Vasconcelos

 

Publicado em Deixe um comentário

Que o Maracanazo descanse em paz

 

Duas frases e uma obra podem ajudar quem queira compreender ou pelo menos entender, o que houve com a seleção brasileira no jogo contra a Alemanha.

O livro é “Dossiê 50”, do jornalista Geneton Moraes Neto, que entrevistou os 11 jogadores que entraram em campo na Copa do Mundo de 1950, no Maracanã e criaram o que Geneton chama de “maior drama do futebol brasileiro”.

O massacre da Alemanha superou o jogo do Brasil com o Uruguai no Maracanã em 1950.

As frases. A primeira é do Nelson Rodrigues, sobre o mesmo evento de 1950:

“Por que perdemos? Ainda hoje, fazemos a mesma pergunta, sem achar a resposta. Pode-se lembrar que entramos sem o mínimo de medo que qualquer luta exige…”

Eu digo, a ausência de medo é arrogância.

A segunda frase, de Einstein:

“Tolice é fazer as coisas do mesmo modo e esperar resultados diferentes“.

– Ghiggia: “Somente três pessoas silenciaram o Maracanã: o Papa, Frank Sinatra e eu”. (G1)

Por Jackson Vasconcelos