O futebol e o mundo de ponta-cabeça

Blatter.FifaPartners

A Coca-Cola, o McDonald’s e a VISA, patrocinadores do futebol mundial pediram a renúncia do Presidente da Fifa, Joseph Blatter. Foram prontamente atendidos e muita gente aplaudiu, porque o mundo anda saturado com as afrontas que recebe das pessoas que exercem o poder na Fifa e em todo canto.

Mas, o fato mostra um mundo de ponta-cabeça, que perdeu a noção de como devem funcionar as relações comerciais entre as empresas, organizações e os parceiros. Liberados para intervir diretamente na composição das estruturas de poder dos patrocinados, que interesses os patrocinadores defenderiam ou buscariam numa situação de impasse?

O Fluminense esteve perto desse tipo de situação e de angústia em razão do patrocínio que recebeu durante 15 anos da UNIMED-RIO. O muito que conheci do modelo me mostrou que poucas vezes é possível ao patrocinado impor a vontade própria. E, para os dois lados, não foi uma relação de todo ruim, contudo, o Fluminense terminou por perder identidade.

Então, como o assunto deveria ser tratado? A Fifa declarar formalmente que não admite interferência nos assuntos internos, que somente a ela dizem respeito. Mas, se poderia dizer que, do modo como a diretoria da Organização tem se comportado, perdeu o respeito e não teria autoridade moral para fazer a exigência. E, neste ponto, entra a resposta do Presidente Blatter à provocação dos patrocinadores. Disse ele: “Esta é apenas uma investigação, não uma acusação”.

Calma lá, Presidente. Há funções que só podem ser exercidas por pessoas que sequer ofereçam causas para investigação, na linha do que queria César de sua esposa Pompéia: “A minha esposa não deve estar nem sob suspeita”. Como não obteve, dispensou a moça.

No caso presente, não vale a regra matemática para composição dos sinais, onde menos com menos dá mais. Aqui, a qualidade menor da interferência dos patrocinadores somada à inferior declaração do Blatter produz um sinal negativo com grande estrondoso na história do futebol mundial.

Por Jackson Vasconcelos

 

Deixe um comentário