O discurso é uma música

O ano era 2016. Tempo de campanha para presidente dos Estados Unidos. Na disputa, Hillary Clinton e Donald Trump. O escritor americano Michael Moore apareceu no principal reduto do Trump, Ohio, para pedir votos para Hillary. O que ele disse e, do modo como disse, merece registro como uma peça importante da campanha. 

Usando de forma perfeita a retórica, a entonação, e a encenação, Michael Moore é didático, como poucos oradores políticos são. Mas, na didática, ele separa Hillary e Obama com uma dura crítica ao Obamacare. Eu vi isso como um problema, numa sociedade que tem fidelidade quase absoluta aos partidos. 

Para nós, brasileiros, a peça tem significado maior, pela proximidade dos argumentos do Michael Moore com as razões do voto, aqui, no Bolsonaro. Palavras para se pensar. 

Vamos ao principal trecho, mas o discurso todo, disponível no YouTube, é muito bom: 

“Porque eu conheço um monte de pessoas em Michigan que pensam votar no Trump e eles não gostam dele, necessariamente tanto, para isso. E, necessariamente não concordam com ele. São só pessoas decentes, bastante desesperadas. Depois de falar com alguns deles, eu separei algumas coisas para dizer para eles. 

Donald Trump veio para o CLube Econômico de Detroit e ficou na frente dos executivos da Ford e avisou: – se vocês fecharem as fábricas em Detroit para transferi-las para o México, eu colocarei uma tarifa de 35% para a importação dos carros produzidos por vocês lá e trazidos para cá. Vocês não conseguirão vendê-los. 

Foi uma coisa incrível de se ver. Nenhum político republicano ou democrata tinha dito nada parecido e isso foi música para os ouvidos de pessoas em Michigan. Ohio, Pensilvânia, Wisconsin.  Você mora aqui em Ohio. Você sabe do que estou falando. 

Mas, o que Trump significa é irrelevante, porque ele está dizendo coisas para as pessoas que estão feridas emocionalmente. É por isso que cada pessoa deprimida, sem nome, esquecida trabalhando duro, que costumava ser parte do que foi chamado de classe média, ama Trump. Ele é o coquetel molotov humano que as pessoas estavam esperando. A granada de mão humana que pode, legalmente, jogar no sistema, que roubou a vida das pessoas. 

No dia 8 de novembro, dia da eleição, apesar das suas contas nos bancos terem sido fechadas. Em seguida, veio o divórcio, a esposa e os filhos se foram, o carro foi confiscado, eles não tiveram férias de verdade em anos. Eles estão presos com uma merda de um plano de saúde Bronze do Obamacare, onde você não pode mesmo tratar uma simples dor de cabeça ou uma caganeira. Eles, essencialmente, perderam tudo o que tinham, exceto uma coisa. A única coisa que não lhes custa um centavo e é garantido pela Constituição Americana – o direito ao voto. 

Eles podem estar sem dinheiro, eles podem estar sem teto. Eles podem estar ferrados. Não importa, porque um milionário tem o mesmo número de votos que a pessoa sem emprego. E há mais da digna classe média do que há na classe milionária. Assim, no dia 8 de novembro, dia da eleição, o revoltado vai caminhar para a cabine de votação, pegar uma cédula, fechar a cortina e com uma caneta colocar um X bem grande no nome do seu candidato, que ameaça derrubar o próprio sistema, que arruinou suas vidas….

A eleição do Trump será o seu grito de foda-se o sistema. O maldito sistema. E todos se sentirão bem…por um dia, por uma semana…por um mês. E então, se arrependerão, porque usaram o voto para exprimir uma revolta. Estarão ferrados”.

Por Jackson Vasconcelos

Um comentário

  1. Tarcísio respo

    / Responder

    Impressionante, é o mesmo desenho que levou o Bolso aro ao poder.


Deixe um comentário