Futebol e Política: Um transtorno dissociativo

Apresentação2Quem vive o mundo onde funcionam os clubes de futebol e os governos por certo, sabe o que é o transtorno dissociativo da identidade. Pra quem não sabe, é a existência, numa mesma pessoa, de duas personalidades, cada uma, em momentos diferentes, assumindo o controle das atitudes e do comportamento. É diferente da esquizofrenia, uma doença causada pelo funcionamento anormal do cérebro. Um ator, em estado de representação, não é esquizofrênico. Ele assume uma segunda personalidade, porque essa é a profissão dele.

Do São Paulo Futebol Clube veio o exemplo mais recente.

Carlos Miguel Aidar, presidente do clube, renunciou acusado de cometer uma série de irregularidades e de tomar decisões de elevado risco. A imprensa fez a lista, que vai do emprego da filha a vantagens concedidas à namorada, passando pelo favorecimento ao escritório pessoal, ambiente onde ele, com certeza, é comandado pela segunda personalidade.

O escritório respondeu:

“O AIDAR SBZ advogados é um escritório atuante em várias áreas do direito, para clientes dos mais diversos setores da economia, com uma equipe formada por mais de 250 profissionais, guiados pela cultura da meritocracia, transparência e ética. A instituição mantém um relacionamento extremamente profissional com todos os seus clientes, construído de modo sustentável, com respeito e confiança ao longo de anos de trabalho em parceria.

As atividades do AIDAR SBZ são e sempre foram absolutamente distintas dos projetos pessoais de seus sócios, não existindo, assim, qualquer relação institucional do escritório com a atuação de Carlos Miguel Aidar como presidente do São Paulo Futebol Clube. Carlos Miguel Aidar está afastado das suas atividades do escritório desde que assumiu a presidência do clube em abril de 2014, há um ano e meio portanto.

Também não é verdadeira a informação de que advogados tenham atuado alocados no São Paulo Futebol Clube como funcionários do AIDAR SBZ. Os referidos profissionais se desligaram do escritório antes de exercer qualquer função no São Paulo Futebol Clube e foram contratados diretamente pelo clube, sendo funcionários celetistas sem qualquer vínculo com o escritório.

O escritório tem rígidas políticas de governança corporativa e de compliance, com gestão profissional a cargo da Diretoria Executiva, responsável pela administração financeira e organizacional da instituição, respeitando as melhores práticas do mercado corporativo”.

Em resumo, quem olha para a gestão do senhor Carlos Miguel Aidar no São Paulo Futebol Clube e volta o olhar para a empresa AIDAR SBZ Advogados administrada por ele, não terá dúvidas: o cidadão tem duas personalidades, sofre do tal transtorno dissociativo da identidade.

E Aidar não é caso único. Há por aí outros excelentes advogados, que na gerência dos negócios próprios lucram muito, mas que na direção dos clubes tomam decisões desastrosas, que causam falência.

O mesmo acontece na política. Estejam certos. Andam por aí, gente que nos negócios próprios faz o milagre da multiplicação, enquanto, nas funções públicas pesam mais do que precisariam pesar nos ombros dos contribuintes.

Por Jackson Vasconcelos

Deixe um comentário