Estrategista não é profeta

O meu dia de trabalho mal tinha iniciado na sexta-feira, quando um aluno de comunicação da Estácio de Sá, Joel, fez contato comigo por vídeo. Ele queria saber o que, exatamente, faz um estrategista numa campanha eleitoral. “Vocês conseguem garantir a vitória de um candidato?”, perguntou ele. 

“Não. Não conseguimos”, eu respondi. Pode ser que os profetas tenham essa habilidade e, se tiverem, ainda precisarão estar fora da ressalva feita por Jesus Cristo, quando declarou que “não há profeta sem honra senão na sua própria pátria, entre os seus parentes e na sua casa”. Como eleição é ato de aproximação, as previsões, nesse ambiente, são péssimas companheiras mesmo para os profetas.

O trabalho dos estrategistas é melhorar as vantagens comparativas de um candidato e reduzir as variáveis existentes na equação que pode levá-lo à vitória, ou, pelo menos, garantir que elas funcionarão sempre a favor do resultado positivo. Para isso, dependemos de informações, dados, um bom de conhecimento da história das eleições e saber interpretar corretamente tudo isso. Somos confeccionadores de GPS.  

Quando recebemos a solicitação de orientar uma campanha, a primeira providência é semelhante a dos médicos quando recebem seus pacientes numa primeira consulta: ouví-los com atenção, para conhecer a história deles e saber como ajudá-los. 

O diagnóstico dependerá, ainda, dos exames, ou seja, da leitura das pesquisas e da análise do cenário – ambiente – onde a campanha ocorrerá e, com menos dúvida possível, como se comportam os  adversários, quando submetidos a uma campanha. 

Todo o trabalho de análise encaminha-se para um objetivo só: a construção do discurso, das mensagens e ações que terão força para convencer os eleitores. E, no conjunto disso tudo, forma-se a imagem.  

Uma campanha eleitoral é tão e exclusivamente, uma campanha de comunicação, que necessita de uma série de elementos de convencimento, porque vencerá a eleição o candidato que conquistar o maior número de eleitores. 

Está claro, portanto, que as campanhas eleitorais são disputas entre candidatos no campo da comunicação e imagem. E a decisão do eleitor é um ato de escolha. Então, cabe ao estrategista facilitar a seleção na direção do candidato que o contrata, um trabalho que inclui criar as condições ideais de comparação entre o candidato e os adversários. 

Por isso, cabe também ao estrategista conhecer muito bem os adversários, para saber o que eles têm de atributos positivos e negativos. Ideal é que os conheça tão bem ou proximamente tão bem quando conhece o candidato que defende.  

Elaborada a estratégia, nasce o discurso e o modo como ele deve ser transmitido. Um discurso confuso, incoerente com a história do candidato ou cheio de ruídos, ajuda os adversários. Construído o discurso, dele saem as mensagens e adaptações aos diversos veículos de comunicação, sempre alertado o estrategista de que os melhores veículos são o próprio candidato e os adversários. E a embalagem, nesse caso, pode ajudar bastante.

Com todo esse trabalho, não se tem nenhuma garantia de vitória? Haverá mais facilidade, contudo, garantia não, porque lidamos com seres humanos que têm liberdade para mudar de opinião até a hora do voto. 

Por isso, o trabalho do estrategista só se encerra com o processo de votação. Eu diria que um estrategista precisa ser panótico: olhar de uma só vez todas as partes e elementos que compõem a campanha, para amarrar as situações nos conceitos de oportunidade e ameaça e precisa fazer isso numa velocidade crescente, no tempo em que os eleitores se aproximam da hora de votar. 

Joel encerrou a conversa com uma pergunta mais simples: “Pode existir campanha sem estratégia?”. “Claro”, respondi. Existem muitas. Você pode decidir ir a Disney no final do ano com seus filhos e comprar a passagem no dia da viagem e chegar lá sem reservas e sem previsão do que fará. Isso pode ser uma boa aventura, mas tem tudo pra dar errado, não? 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Deixe um comentário