Eleições no Fluminense: Salário do presidente

peter-tiroA premiada jornalista Dorrit Harazim, editora da revista Piauí, escreve semanalmente no O Globo. No domingo publicou “O salário do governante”. Ela aborda a promessa do Presidente Trump de abrir mão do salário. No artigo estão argumentos suficientes para sustentar a defesa que sempre fiz de remunerar-se os presidentes dos clubes de futebol, principalmente, o do Fluminense. Eu firmei essa posição no livro que escrevi, “O Jogo dos Cartolas”.

Dorrit assinala que Trump e nenhum outro presidente dos Estados Unidos (George Washington já havia tentado) por lei, não pode abrir mão do salário de presidente, porque a remuneração do Presidente dos Estados Unidos é ato de interesse público e não do ocupante da cadeira. A sociedade americana deixa claro que o presidente trabalha a serviços dos cidadãos e não por caridade e por isso deve prestar contas de seus atos.

Não remunerado, o Presidente do Fluminense Football Club assume o papel de um caridoso torcedor e tem sempre a defendê-lo nas decisões estúpidas ou mal pensadas, o argumento de dar ao clube e aos torcedores um tempo que poderia dedicar à família ou à profissão. Sobre tal comportamento, Dorrit cita Alexander Hamilton, Primeiro Secretário do Tesouro dos Estados Unidos: “O poder sobre o sustento de um homem é o poder sobre a sua vontade”.

Outra questão importante envolve a obrigação do Presidente dos EUA de receber a remuneração que lhe paga a sociedade. Ao compreender a presidência dos Estados Unidos como um trabalho profissional assalariado, amplia-se a possibilidade de cidadãos sem fortunas pessoais virem a disputar o cargo público mais nobre do país.

Novamente, dá para aproximar os conceitos. Certamente, se remunerado, o cargo de presidente do Fluminense teria mais interessados, por exemplo, gente jovem, competente, que poderia prestar serviços ao clube na nobre função de presidente.

Hoje o acesso ao cargo está restrito aos profissionais abençoados por heranças de família, aos aposentados e funcionários públicos, que detém privilégios especiais e um deles pode ser o de estar desobrigado a aparecer na repartição, um ônus enorme para os contribuintes.

Por fim, se chega ao argumento mais forte e atual nos debates da campanha eleitoral no Fluminense. A sociedade americana remunera bem os seus presidentes para fugir ao risco de tê-los à serviço de si mesmos, momento em que entram em cena os negócios escusos, a corrupção e os conflitos éticos.

No próximo sábado, o Fluminense escolherá um novo Presidente. Tomara que seja o último não remunerado, porque dificilmente se terá outro que se dedique a ponto de desejar no final do mandato, dar um tiro na própria cabeça.   

2011-dorrit-oglobo

Artigo de Dorrit Harazim (Clique na imagem para ampliar)

 

Por Jackson Vasconcelos

Deixe um comentário