Debate no Flamengo

DebateFla

O debate entre os candidatos à presidência do Flamengo, no canal esportivo ESPN, criou um material excelente para análise no tema campanha eleitoral. Comparecerem os três candidatos, o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, que quer ser reeleito, Cacau Cotta e Wallim Vasconcellos. No ambiente, um moderador e dois jornalistas que cobrem futebol.  

A emissora copiou o modelo adotado na TV para os debates políticos. Pecou, porque os candidatos não são do ramo. Por isso, nas perguntas, respostas, réplicas e tréplicas, os candidatos deixaram tempo sobrar e criaram uma situação péssima, quando instados pelo moderador a usar o tempo completo.

Eles, que já rateavam no rito normal, meio brigando com as palavras para não saírem do figurino, fizeram pior, quando tentaram colocar o que diziam no tempo longo demais. Arranharam nas curvas das argumentações. Quem pareceu estar um pouco mais confortável foi o Cacau Cotta, talvez por ter convivido com a presidente anterior, Patrícia Amorim, alma acostumada ao purgatório da política.

Outro ponto a considerar é que futebol, apesar de se parecer com a política, não é. O formato ideal para o debate teria sido de uma mesa redonda, com os jornalistas, candidatos e moderador no mesmo círculo. O eleitor (torcedor de futebol e de outros esportes) ganharia muito num formato com o qual tem intimidade. Assim não se fez. Preferiram os organizadores colocar os três candidatos num sofá. Então, um deles ficou no centro, com os outros dois nas pontas o que deu ao felizardo central a imagem de figura principal e aos outros dois a posição de coadjuvantes.

Houve também o desconforto físico. Wallim precisou sentar-se com a coluna reta na ponta do sofá para não passar a imagem de relaxado. Cacau, em alguns momentos fez o mesmo e o Bandeira ficou meio desconsertado. Os organizadores pioraram o quadro, ao posicionar o marcador de tempo na lateral dos candidatos. Eles, orientados, falavam olhando para as câmeras e, para conferir o tempo, foram obrigados a virar o rosto, enquanto falavam.

Num debate entre três candidatos, o moderador deve ocupar o centro da cena, para que os candidatos formem a imagem de um conjunto sem que se dê destaque a um deles. As assessorias dos candidatos não deveriam ter permitido.

O conteúdo não correspondeu à importância do evento. Os candidatos, claramente, não se preparam para o evento. Percebi que fizeram o que se faz normalmente nas campanhas: treinaram. Então, na argumentação ficaram travados. E, cometeram o erro de falarem entre si, até mesmo quando responderam as perguntas dos jornalistas. Esqueceram o eleitor, que estava do outro lado da tela e quando não, receberia as notícias depois, tanto pela imprensa como pelos amigos e comentaristas. Os candidatos não produziram frases de efeito, notícias de impacto, nada que pudessem ser reproduzido depois com emoção. Não falaram com o eleitor e tão pouco alimentaram as torcidas próprias. Todos erraram, o Cacau Cotta menos, pelo motivo que ressaltei antes.

O debate é uma oportunidade, que pode ser a melhor e muitas vezes única, para convencer o eleitor e não o adversário, o moderador ou os jornalistas que perguntam. Bandeira de Mello, Wallim e Cacau tentaram convencer eles mesmos daquilo que eles mesmos diziam. Teriam um excelente roteiro, se lessem “A Arte de Ter Razão” de Schopenhauer, um livro de poucas páginas e muita essência para que participa de debates.

Num debate o candidato tem a chance de fazer com que os adversários, os jornalistas, o moderador e a torcida própria sejam os veículos das mensagens que eles produzem no evento. O destinatário da mensagem é o eleitor.

Quando os debates terminam, a primeira pergunta que surge é: “quem se saiu melhor? “. A minha resposta é: venceu quem chegou ao debate com vantagem comparativa, porque os candidatos e eleitores passaram pelo evento do jeito que chegaram. Nada acrescentaram ao jogo. Foi uma oportunidade perdida para quem a ela chegou com desvantagem no jogo.

Confira o debate dos candidatos à presidência no Flamengo Aqui.

Por Jackson Vasconcelos

Deixe um comentário