Um líder, por favor

Escrevo do Hospital das Clínicas de Volta Redonda, onde me recupero, ainda, da COVID-19. Suspendi todas as minhas atividades, mas essa eu não gostaria, porque amo escrever para o Boletim da Liberdade, um presente do meu amigo Pedro Rafael.

Aqui tenho me relacionado com uma classe que foi enviada à uma guerra, os profissionais de saúde. Elas e eles têm estado na linha de combate sem armas certas. Mas, lutam e alguns tombam e, com enorme sacrifício pessoal para elas e eles e para as famílias, reerguem-se. Têm medo, mas seguem na batalha diária.

Vendo o que vejo aqui, entristeço-me com a política. Fico até de certo modo acanhado com ela. Amo a arte, já lhes disse várias vezes. Amo desde menino. E o que mais amo nela é o poder realizador que ela tem, mas um poder que precisa de liderança. Ah! Mas, essa já não temos por aqui no Brasil e, raramente, no mundo.

Por aqui a coisa é pior. Bem pior. Porque quem deveria liderar briga, disputa o poder pelo poder e não pela possibilidade de realizar coisas boas para o povo.

Brigam até saturar a nossa paciência. Não são como profissionais da saúde, que lutam pela vida alheia, antes da vida própria. Os políticos brigam, se engalfinham, quase se matam preocupados com eles próprios e com os prazeres que o poder lhes pode render.

Mas, há em mim esperança, porque sei que há entre eles, mesmo entre eles, ainda quem, com mandatos ou sem, deseje liderar uma grande mudança. Vejo-os em muitas mulheres e homens nas redes sociais com discursos sinceros, com força e garra, acreditando que, apesar de muita gente ruim, ser possível mudar. É possível mudar!

Gente que se encontrar abrigo na política, disputará mandatos um dia com uma vantagem estratégica: substituirá os ruins e fará a diferença.

É difícil? É. Mas, conseguirão se tiverem a “audácia dos canalhas”, para vencê-los. É hora de dar um basta!

Não dá mais para assistir esse espetáculo de terror de governadores que só pensam ser presidentes, de presidentes que não sabem, exatamente, para que servem e de prefeitos que não enxergam um palmo além do trono em que sentam. Não dá mais para pagar a conta de parlamentos e ter circos no lugar dele.

Já chega não? O Brasil não é só deles. O Brasil é também e principalmente, de quem rala para pagar pelos serviços que eles deveriam prestar.

Que assumam as Marias, os Josés, os brasileiros e brasileiros que sabem honrar o pavilhão, como vejo hoje fazerem os profissionais da saúde e uma série de outros profissionais que mantém o meu país ainda vivo.

Quero meu Brasil de volta!

Aquele Brasil que conheci, por exemplo, no dia 29 de setembro de 1968, um mês antes de eu fazer 15 anos de idade, na voz de Geraldo Vandré. Não só na letra da música garfada no Festival, mas quando ele, diante da vaia recebida por Tom Jobim e Chico Buarque, beneficiados pelo garfo, avisou: “Sabem o que eu acho? Acho que Francisco Buarque de Holanda e Tom Jobim, merecem o nosso respeito. Vocês estão enganados se acham que vaiando eles estão me homenageando”.

Esse é o Brasil que quero ter de volta: dignidade e menos briga.

Até a próxima.

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.
Foto: Isaac Ribeiro

Por Jackson Vasconcelos

Renúncia ou impeachment? Tanto faz

Renúncia ou impeachment? Tanto faz, porque, qualquer que seja o caminho para encurtar o mandato de quem foi legitimamente eleito, exceto a morte, é uma ameaça à consolidação da democracia, um processo que se arrasta há tempos por aqui.

Imaginemos uma estratégia para consolidar a democracia. Como toda estratégia, essa precisa de uma série de ações ligadas ao objetivo, em cenários onde se movimentam oportunidades e ameaças. Se o objetivo é se chegar a uma democracia como ela deve ser, tendo a vontade do povo como base do exercício do poder, uma das vontades a ser respeitada, sem dúvida, é a da escolha dos dirigentes pelo voto. 

Temos eleições, é fato, mas também uma Constituição que qualquer um, por traços de interpretação de interesse pessoal, viola. Nas eleições, somos a democracia do tapetão. 

O primeiro presidente da república, despejado o Imperador, Marechal Deodoro, foi presidente provisório até ser promulgada uma nova constituição. Depois, ele foi eleito por um colégio eleitoral, mas com base na nova carta, que estabelecia a obrigação de haver nova eleição, aí sim, direta, se o mandato presidencial fosse interrompido antes de completada a metade do tempo. E a interrupção aconteceu pela renúncia. 

Os vice-presidentes eram também eleitos, sem vínculo com a chapa presidencial. O Marechal Floriano Peixoto, eleito vice-presidente, assumiu o mandato dado a Deodoro da Fonseca e não convocou eleição. Treze generais discordaram e pediram eleições para se ter o cumprimento da Constituição. Floriano Peixoto fez uma interpretação manca da Carta, prendeu os generais e seguiu na presidência. 

Para contar todas as experiências da história da república do tapetão eu não disponho de espaço e se dispusesse, cansaria o leitor. Alguns casos nos bastam. Getúlio Vargas perdeu a eleição para Júlio Prestes. O candidato a vice-presidente na chapa de Getúlio, João Pessoa, algum tempo depois da eleição foi assassinado no Recife por um motivo que nada teve com a campanha. Getúlio contou uma história diferente e tomou o poder. 

João Goulart? Esse foi vítima da primeira fake news política: perdeu a presidência por ter se ausentado do país, quando estava, na verdade, no Rio Grande do Sul. E vocês devem lembrar da ginástica e mirabolâncias que fizeram para o pobre presidente não assumir o governo com a renúncia do titular, Jânio Quadros. 

Com os generais no poder, o tapetão do tapetão! O presidente Costa Silva deixou a presidência doente, o vice, Pedro Aleixo, não conseguiu assumir, substituído por uma junta militar. 

E com Tancredo Neves? Outra ginástica se fez para empossar um vice-presidente no lugar de um presidente não empossado, porque o presidente da Câmara dos Deputados, se empossado como mandava a Constituição, deveria convocar novas eleições. E aí haveria o risco de ser eleito alguém fora do figurino. 

Ah! Mas ali tudo era válido em nome da democracia. Veio, então, a Constituição Cidadã e eleições diretas para a presidência. Estamos no quinto presidente eleito, mas dois foram afastados antes do tempo e já se pede a extensão da medida para o terceiro.

Mas, o presidente é maluco e um louco não pode governar o Brasil, dizem hoje sobre o Presidente Jair Bolsonaro. Que seja! Então, quem estaria no papel do Dr. Simão Bacamarte, o alienista de Machado? 

Quem terminará a vida na Casa Verde? Quem são os anormais? 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Podcast: “O Jogo dos Cartolas”, com Felipe Ximenes (Parte 2)

Confira a 2ª parte do papo entre Jackson Vasconcelos, autor do livro “Jogo dos Cartolas”, e Felipe Ximenes. Agora é hora de falar de futebol. Então, tempo de ouvir quem entende muito do assunto.

Confira a segunda parte do podcast “O Jogo dos Cartolas: Futebol e Gestão”:

Estrategista não é profeta

O meu dia de trabalho mal tinha iniciado na sexta-feira, quando um aluno de comunicação da Estácio de Sá, Joel, fez contato comigo por vídeo. Ele queria saber o que, exatamente, faz um estrategista numa campanha eleitoral. “Vocês conseguem garantir a vitória de um candidato?”, perguntou ele. 

“Não. Não conseguimos”, eu respondi. Pode ser que os profetas tenham essa habilidade e, se tiverem, ainda precisarão estar fora da ressalva feita por Jesus Cristo, quando declarou que “não há profeta sem honra senão na sua própria pátria, entre os seus parentes e na sua casa”. Como eleição é ato de aproximação, as previsões, nesse ambiente, são péssimas companheiras mesmo para os profetas.

O trabalho dos estrategistas é melhorar as vantagens comparativas de um candidato e reduzir as variáveis existentes na equação que pode levá-lo à vitória, ou, pelo menos, garantir que elas funcionarão sempre a favor do resultado positivo. Para isso, dependemos de informações, dados, um bom de conhecimento da história das eleições e saber interpretar corretamente tudo isso. Somos confeccionadores de GPS.  

Quando recebemos a solicitação de orientar uma campanha, a primeira providência é semelhante a dos médicos quando recebem seus pacientes numa primeira consulta: ouví-los com atenção, para conhecer a história deles e saber como ajudá-los. 

O diagnóstico dependerá, ainda, dos exames, ou seja, da leitura das pesquisas e da análise do cenário – ambiente – onde a campanha ocorrerá e, com menos dúvida possível, como se comportam os  adversários, quando submetidos a uma campanha. 

Todo o trabalho de análise encaminha-se para um objetivo só: a construção do discurso, das mensagens e ações que terão força para convencer os eleitores. E, no conjunto disso tudo, forma-se a imagem.  

Uma campanha eleitoral é tão e exclusivamente, uma campanha de comunicação, que necessita de uma série de elementos de convencimento, porque vencerá a eleição o candidato que conquistar o maior número de eleitores. 

Está claro, portanto, que as campanhas eleitorais são disputas entre candidatos no campo da comunicação e imagem. E a decisão do eleitor é um ato de escolha. Então, cabe ao estrategista facilitar a seleção na direção do candidato que o contrata, um trabalho que inclui criar as condições ideais de comparação entre o candidato e os adversários. 

Por isso, cabe também ao estrategista conhecer muito bem os adversários, para saber o que eles têm de atributos positivos e negativos. Ideal é que os conheça tão bem ou proximamente tão bem quando conhece o candidato que defende.  

Elaborada a estratégia, nasce o discurso e o modo como ele deve ser transmitido. Um discurso confuso, incoerente com a história do candidato ou cheio de ruídos, ajuda os adversários. Construído o discurso, dele saem as mensagens e adaptações aos diversos veículos de comunicação, sempre alertado o estrategista de que os melhores veículos são o próprio candidato e os adversários. E a embalagem, nesse caso, pode ajudar bastante.

Com todo esse trabalho, não se tem nenhuma garantia de vitória? Haverá mais facilidade, contudo, garantia não, porque lidamos com seres humanos que têm liberdade para mudar de opinião até a hora do voto. 

Por isso, o trabalho do estrategista só se encerra com o processo de votação. Eu diria que um estrategista precisa ser panótico: olhar de uma só vez todas as partes e elementos que compõem a campanha, para amarrar as situações nos conceitos de oportunidade e ameaça e precisa fazer isso numa velocidade crescente, no tempo em que os eleitores se aproximam da hora de votar. 

Joel encerrou a conversa com uma pergunta mais simples: “Pode existir campanha sem estratégia?”. “Claro”, respondi. Existem muitas. Você pode decidir ir a Disney no final do ano com seus filhos e comprar a passagem no dia da viagem e chegar lá sem reservas e sem previsão do que fará. Isso pode ser uma boa aventura, mas tem tudo pra dar errado, não? 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Podcast: “O Jogo dos Cartolas”, com Felipe Ximenes (Parte 1)

Agora é hora de falar de futebol. Então, tempo de ouvir quem entende muito do assunto. Felipe Ximenes comenta o livro “O Jogo dos Cartolas”, com Jackson Vasconcelos, autor do livro.

Confira a primeira parte do podcast “O Jogo dos Cartolas: Futebol e Gestão”:

Cautela e caldo de galinha, boa receita

Para qualquer assunto, Machado de Assis tem boas lições, já que da alma e dos costumes humanos conhecia como poucos. De política, eleição e conselhos de estratégia, ele deixou muita coisa.  

Como o meu tema é, foi e será sempre a política, eleições e estratégia, busquei num dos livros de Machado o assunto para hoje. Quincas Borba! Sobre o personagem, disse Machado: “É aquele mesmo náufrago da existência, que ali (Memórias Póstumas de Brás Cubas) aparece, mendigo, herdeiro inopinado, e inventor de uma filosofia”. 

Quincas enamorou-se de uma viúva, senhora de condição mediana e parcos meios de vida… chamava-se Maria da Piedade. Quincas Borba apaixonou-se também de um cão, a quem deu o próprio nome. 

Rubião, irmão de Maria da Piedade, está na obra, é o centro dela. Ele fez todo o possível para casar Piedade com Quincas Borba. Não conseguiu, porque Piedade resistiu e depois, porque “um pleuris a levou”. Mas, isso não impediu Rubião de ser o herdeiro da grande fortuna do patrão, que poderia ter tido por cunhado. 

No capítulo cem da obra, falecido o filósofo Quincas Borba, Rubião recebe um convite para ser candidato a deputado. Dr. Camacho, já na política, faz a honra e entre todas as razões de homenagem, cita a necessidade de se evitar que a divisão de votos entre dois candidatos do mesmo lado levem a campanha para a derrota. 

Acontece um diálogo e, “Rubião, comovido, fez ainda outras perguntas acerca da luta e da vitória, se eram precisas despesas já, ou carta de recomendação e pedido, e como é que se havia de ter notícia frequente do enfermo, etc. Camacho respondia a tudo; mas recomendava-lhe cautela. Em política, disse ele, uma coisa de nada desvia o curso da campanha e dá a vitória ao adversário”. 

De outra coisa não tratei na Estratégia 29 do livro “Que raios de eleição é essa?”: Antes de se lançar numa campanha, resolva suas fragilidades.

A cautela sugerida pelo Dr. Camacho ao Rubião tem nome certo: estratégia. Ela é a ferramenta que dá ao candidato a possibilidade de conhecer bem os próprios atributos, tanto os positivos como os negativos. E também os melhores e piores recursos pessoais dos adversários. Uma cautela essencial para saber como se pode vencer.

Conhecer-se bem é fundamental, mas saber quem é o adversário, personalidade, história, fragilidades, capacidade de reagir e de agir dele, essencial. 

Davi era um pastor de ovelhas de pequena estatura física e decidiu enfrentar um gigante, Golias, para livrar o povo hebreu de ser escravo dos filisteus. Saul era o rei e preparou Davi para a luta, colocando sobre a cabeça dele um capacete de bronze e no corpo, uma couraça. Davi começou a andar e sentiu que com toda aquela parafernália, a mesma que usava o adversário dele, não conseguiria vencer. Davi não estava acostumado a andar com o paramento militar. Nunca vestiu-se para a guerra. Então, tirou tudo aquilo do corpo, armou-se com o cajado de pastor de ovelhas e com a funda que usava para vencer os lobos… 

O resto da história todo mundo conhece, aplaude e usa como exemplo da vitória do mais fraco sobre o mais forte. Mas, não foi só pelo conhecimento da própria fragilidade física que Davi venceu. Foi também pela decisão de derrubar o gigante antes que ele chegasse perto. O corpo a corpo seria uma vantagem fatal para o gigante. A estratégia fez Davi vencer a luta, resultado que ele, com lealdade, creditou a Deus. 

Na minha adolescência, pratiquei judô. Fábio, meu professor, ensinava na primeira aula: “A maneira mais fácil para se derrubar um adversário é usando o impulso e o peso dele. Só assim, um japonês franzino leva ao chão um gigante de quimono”. 

A ausência de cautela e escolha da estratégia correta transforma, com rapidez, uma oportunidade de sucesso numa ameaça. De outro modo, não consigo ver as dificuldades que tem hoje o presidente Jair Bolsonaro de lidar com o Congresso Nacional quando, quase com exclusividade na história do presidencialismo esquisito adotado pelo Brasil, conseguiu eleger-se presidente da república levando com ele uma expressiva bancada de deputados federais e senadores. 

Mas, o que fez o presidente dessa oportunidade? Implodiu o partido que deu a ele o diferencial e empurrou para a oposição gente que dançaria, por ele, qualquer música. A oportunidade se tem feito ameaça. Uma estratégia com sinal invertido. 

O presidente da República, definitivamente, não é um político cauteloso. Não atenderia ao requisito solicitado pelo magistral Machado de Assis, na pele do Dr. Camacho. 

Desejo que todos e todas tenham tido um bom domingo de Páscoa. 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Linguagem: Agente de persuasão

A comunicação dos políticos com o povo deve persuadir, convencer e, nas épocas das campanhas, converter a expectativa dos eleitores em voto. Não é algo fácil de fazer. 

Harold Lasswell, apelidado de “pai da psicologia política” escreveu “A Linguagem da Política”, obra muito útil para quem queira se enveredar pelos caminhos da comunicação dos políticos com o povo. Lasswell faleceu em 1978, com 76 anos. É dele a definição da comunicação política como a linguagem do poder, agente de persuasão, que uso no título. 

Quando trata do estilo, ele diz que o pensamento e a fala são inseparáveis. Mas, alguns políticos conseguem fazer a magia da não conversão. Dizem o que não pensam e pensam o que não falam. 

Com os eleitores acontece o mesmo, afinal, todos somos seres humanos e em todos nós há um mecanismo que traduz palavras e atitudes em lógica. Isso faz com que os eleitores digam coisas que no pensamento se processam de outra forma, a depender do que recebem do emissário das mensagens. Olham, observam, ouvem, por vezes, não movem um músculo, mas no subconsciente registram a emoção negativa ou positiva. 

Com as redes digitais e o poder que elas deram às pessoas de produzirem conteúdos para seus canais de vídeo, voz e texto, os políticos ganharam linhas de comunicação direta com os eleitores. Mas, perderam a liberdade para falar o que, verdadeiramente, não pensam e de agir de forma diferente do que orientam os outros a agirem. Os políticos que estão nos governos ordenam que fiquemos em casa, mas fazem isso fora de casa. Um pequeno exemplo. 

Há quem acredite que com pesquisas de opinião, resolve-se a dúvida sobre o que vai na cabeça do eleitor. Resolve-se não. É preciso mais. É preciso aprofundar, conversar com o povo para, com paciência, ouvir e perceber o que vai no consciente dele. 

Tenho visto no instagram programas diários ao vivo de candidatos às prefeituras. Os tempos de agora são duríssimos para a população, mas os candidatos cuidam deles mesmos, com os discursos e falatórios de sempre. Falam para ninguém. 

A falta de interação é outro problema. O político convida você para estar no espaço dele e lá ele fala, fala, gesticula, conta história, e nenhuma das perguntas ou opiniões que recebe, ele responde. Entregam o que querem dizer e caem fora.  Sem interação, não há fidelidade e sem fidelidade, não há voto. 

No livro “Que raios de eleição é essa?”, dediquei o espaço da 15ª estratégia para o cuidado de ouvir o eleitor. Falei sobre duas derrotas eleitorais provocadas porque as pesquisas ouviram o eleitor superficialmente, só naquilo que ele não gostaria de ser ouvido. Com interação, o resultado seria, certamente, diferente.  

Abri o texto com Lasswell e encerro com ele: “A arma que mais se parece com a linguagem, do ponto de vista funcional, é o projétil, pois, tanto quanto a palavra, é capaz de causar dano à distância”. E, hoje, com a internet, põe distância nisso.

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Que raios de Estado!

O isolamento é o mal menor da epidemia. O medo do futuro é pior. Que país, afinal, encontraremos nós, quando deixarmos a caverna? Será que, como os personagens de Platão, teremos medo de enfrentar a realidade por desconhecermos o quanto ela pode ser bela à luz do sol e da liberdade? Qual a melhor estratégia para após o confinamento? 

Sábado (28), o ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, declarou: “O mundo sairá dessa sem vencedor, nem perdedor, mas sairá diferente. Sairá um mundo reflexivo, que terá que repensar os valores, a dinâmica social e como nós vamos nos comportar daqui pra frente”. 

Estou com dificuldade para entender a ausência de perdedores, porque quem morreu ou ainda morrerá perdeu a luta do mesmo modo como quem tem ou terá entre os mortos gente sua. 

Se há perdedores, existirão vencedores, os sobreviventes e aqueles que da epidemia conseguirem tirar alguma lição. 

As empresas privadas, aquelas que podem, estão dando uma contribuição relevante ao Brasil. Certamente, não por altruísmo, mas por compreensão da força que tem o capitalismo, quando dá à relação capital-trabalho, o sentido de um bom negócio. 

Adam Smith viu assim, na Riqueza das Nações: “Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro, que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que eles têm pelos próprios interesses. Apelamos não à sua generosidade, mas ao seu amor próprio, pois nunca conseguiremos sensibilizá-los pelas nossas necessidades, mas pelas vantagens que eles podem obter”. 

Sobre as ajudas do Estado, das empresas e bancos às pessoas durante a epidemia, a revista Exame trata numa matéria que o editor intitulou com a pergunta:  “Quem vai salvar a economia?”. Os jornalistas Natália Flach e Rodrigo Caetano responderam. Os bancos estão lá com o papel de sempre: emprestar a juros altos e fazer isso com o semblante de caridade. 

As empresas, com os exemplos da UBER, IFood, Starbucks e Facebook e de algumas fundações. O Estado, com os governos dos EUA, da Alemanha, China, Reino Unido, Japão, França, Dinamarca, que decidiu bancar 75% dos salários dos empregados das empresas privadas para evitar demissões, e o Brasil, com a proposta menos ambiciosa de todos os países citados. Não por insensibilidade, mas por incapacidade. 

O Brasil tem dificuldades para oferecer mais, porque somos uma economia tradicionalmente travada e que tem uma estrutura de serviços públicos em colapso, mesmo nos dias normais. 

A causa disso tudo é o tipo de Estado que temos. Ele é caro. A overdose de tributos, burocracia e ineficiência tem feito de nós uma Nação com uma economia debilitada, apesar de todo o potencial de crescimento que ela tem. 

O COVID-19 terá prestado um excepcional serviço ao Brasil se convencer a Nação e, principalmente, aos seus agentes públicos, que o Estado precisa pesar menos sobre o setor privado para que ele possa produzir melhor e com mais qualidade. Desse modo, ele gerará empregos e também tributos para dar ao Estado, numa situação de emergência, a capacidade de fazer melhor do que tem feito agora. 

Vale ler a matéria da Exame, que está de cara nova.  

Tomara que o ministro Mandetta esteja certo quando diz que do tempo difícil do coronavírus, “sairá  um mundo reflexivo, que terá que repensar os valores, a dinâmica social e como nós vamos nos comportar daqui pra frente”. Se isso ajudar o Estado a rever posições, aí, sim, a dor terá gerado uma criança sadia e mais feliz.   

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

O coronavírus no organismo político

O coronavírus apareceu no Brasil com as consequências que a gente conhece e, num piscar de olhos, reacendeu uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que propõe transferir as eleições deste ano para 2022. A proposta foi apresentada no início do ano passado por um deputado federal do MDB de Santa Catarina.

O argumento do projeto, no ano passado, era fazer coincidir todas as eleições, num estilo de eleições gerais, que levariam o povo a decidir, de uma só vez, a Presidência da República, a Câmara dos Deputados, o Senado Federal, os Governos Estaduais, Assembleias Legislativas, as Câmaras Municipais e Prefeituras. Algo semelhante, o Brasil já viveu em 1982, quando prorrogados foram os mandatos dos prefeitos e vereadores. Naquele ano, só não houve eleição para Presidente da República, ainda indireta. 

O argumento de agora seria usar o dinheiro do fundo eleitoral no trabalho de combate ao vírus e, na voz do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, evitar que o Congresso Nacional trabalhe menos no combate ao vírus e mais nas campanhas municipais. É claro que a proposta do ministro apresentada diretamente aos maiores interessados, os prefeitos, fez sucesso. E a legítima má vontade que tem o povo com o financiamento dos partidos com dinheiro público ajuda o discurso.  

Se acontecer o adiamento, o povo, mero detalhe nas formulações legislativas no Brasil, será obrigado a conviver mais dois anos com prefeitos e vereadores que gostaria de ver pelas costas, simplesmente, para que o Estado Brasileiro faça melhor uso do dinheiro que os contribuintes entregam. Será que fará? Certamente, não. Afinal, sabe-se que é costume no Brasil, o Estado arrancar dinheiro com o argumento de melhorar o atendimento médico e, no final, desviar o que foi arrecadado para outras finalidades. 

Mas, a proposta é uma boa oportunidade para se debater o financiamento público para as campanhas eleitorais e sustento dos partidos.  

A gente financia com o dinheiro público todos os partidos, gostemos ou não de todos ou de alguns ou mesmo de nenhum. O Congresso Nacional decidiu que seria assim e assim é. Podemos até reclamar do fato, mas sabendo que isso de nada adiantará. O mal está feito.  

O problema dos fundos de campanha e partidário é o mesmo relativo a todos os tributos, numa situação em que o povo paga, recebe pouco de volta  e não é consultado sobre o destino do dinheiro.

O legislador brasileiro deveria criar mecanismos legais que permitam ao contribuinte designar a preferência dele pelos partidos que é obrigado a financiar por intermédio do Estado. Em outros tempos, a consulta seria um processo complicado, mas com a tecnologia do presente, é um ato simples de vontade, que pode ser confirmado com o apertar de uma tecla no computador ou no telefone. 

Então, quem leia pela cartilha do MDB, do DEM, do PTB ou de qualquer outro partido, que declare a sua preferência ao Tesouro Nacional, que destinará aos de preferência dos eleitores a quantia proporcional às indicações que cada um recebeu. 

Se no final do processo, ninguém quiser financiar partido algum – situação bem possível em razão da imagem desgastada dos partidos – os filiados que se virem para melhorar a imagem dos seus partidos ou para buscar financiadores, como se fazia no passado. Os recursos registrados no Orçamento para o financiamento das campanhas e dos partidos seriam redistribuídos na forma que a Lei de Diretrizes Orçamentárias autorizasse. 

Mas, eu tenho certeza que os partidos, por facilidade, segurança e rapidez, farão campanhas para conquistar o coração e a fidelidade dos eleitores, para deles ter algo mais que o voto, a confiança. 

Aí sim, com essa medida, acabaríamos de vez com os partidos de aluguel ou que têm donos, porque quem estivesse a pagar a conta com a chance de cobrar pelo serviço, não deixaria a situação correr frouxa como acontece hoje. 

Que tal? 

Eis aí uma boa estratégia que conseguiria fazer do dinheiro público que vai para as campanhas e para o sustento dos partidos, uma oportunidade de participação política mais efetiva, com gosto de cidadania, e não mais uma ameaça à democracia representativa, como acontece hoje. 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Foto: Adriano Machado/Reuters

A estratégia é convencer e não agradar

Qual a primeira providência para realizar uma campanha eleitoral? Muitos responderão com rapidez: fazer pesquisas! 

Apesar de não dispensá-las e só conseguir realizar bem o meu trabalho orientado por elas, eu recuso a resposta. O discurso vem antes, porque ele é a peça que justifica a candidatura, dá sentido às pesquisas e faz a mágica do convencimento, objetivo essencial de uma campanha. 

O candidato que não convence perde e, para convencer, ele discursa, conversa, escreve, decide, se comunica. Enfim, ele submete o discurso à avaliação dos eleitores e dos adversários.  

Mas, há quem diga que o candidato pode, por disciplina e com bom treinamento, expor o que não pensa, para, tão somente, agradar aos eleitores. É verdade e isso tem sido comum. 

Contudo, a opção por esse roteiro abriga fortes emoções. Eu diria, as mais fortes emoções que uma campanha eleitoral seja capaz de produzir. O alerta para isso vem da psicologia, que classificou os atos espontâneos do cérebro como “atos falhos”. Um candidato que ande a distribuir um discurso que trai o próprio subconsciente só para agradar aos eleitores, corre o risco permanente de, a qualquer momento, deixar escapulir o que está guardado no “fundo da alma”. E aí, ninguém mais segura, “a máscara caiu”. 

Quando isso acontece, muita gente, com certeza, lamenta não ter escolhido o roteiro mais difícil, contudo, menos arriscado, de usar as pesquisas para saber em que tom e modo, o candidato deveria levar o que pensa para a campanha com o dever de convencer e não de agradar.  

O “ato falho” é, portanto, uma contribuição da psicologia às campanhas eleitorais. É um elemento da estratégia dos adversários de candidatos que, já se sabe, falam, usam roupas, gestos e  agendas só para agradar aos eleitores e não para convencê-los. Afinal, convencer dá mais trabalho do que agradar.

Quem pretenda ser candidato, teste o discurso que já está presente na consciência, não para ver se ele se encaixa no que quer o eleitor, ato de agradar, mas para entender como ele deve ser comunicado ao eleitor para convencê-lo. 

Outra orientação para os candidatos é que conheçam muito bem os seus adversários, para saber se o que eles pregam ou fazem está, de fato na história deles, porque, se não estiver, com certeza, também não estará no subconsciente. Aí, será só o trabalho de provocá-los quando eles estiverem em alto grau de exposição. 

A história das campanhas tem muita coisa pra contar, de anteontem e de ontem. Em 1945, o major-brigadeiro Eduardo Gomes, uma figura masculina bela, tão bela que fez com que as mulheres das classes média e alta brasileiras vendessem doces (que receberam o nome de brigadeiro) para ajudá-lo na campanha. 

Eduardo Gomes por estilo e imagem era considerado o candidato das elites. Contra ele estava Getúlio Vargas, “o pai dos pobres”, representado pela candidatura do General Eurico Gaspar Dutra. Pois bem, no dia 19 de novembro, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, o brigadeiro Eduardo Gomes referiu-se os eleitores do Getúlio Vargas como uma “malta de desocupados que apóia o ditador”, referindo-se a um bando. 

O getulista Hugo Borghi correu aos dicionários para encontrar um outro significado para “malta”, que lhe servisse. Encontrou o sinônimo de “grupo de operários que percorrem as linhas férreas levando suas marmitas, marmiteiros”. Borghi foi às rádios e aos jornais com o discurso pronto: “O brigadeiro Eduardo Gomes disse que não precisa dos votos dos marmiteiros, dos pobres, daqueles que lutam pela vida, porque já tem o apoio dos ricos e grã-finos”. O fogo alastrou-se, porque o discurso do Brigadeiro, embora não fosse literalmente contra os pobres, carregou a imagem de um homem que, na verdade, tinha esse sentimento. 

De anteontem, temos ainda o famoso discurso do presidente Fernando Collor de Mello, com a convocação para que o povo fosse para as ruas apoiá-lo. Em cada frase do discurso, disponível na internet, se percebe a mágoa e o ódio de uma pessoa, que já não conhecia esconder a arrogância. 

De ontem, temos o exemplo do Ciro Gomes, que dispensa o cansaço com a lembrança. A imagem do machista fechou o circuito com o subconsciente dele e à tona veio o “ato falho”, sobre a razão da esposa Patrícia Pillar na campanha.  

Os resultados de tudo isso e muito mais, a história tem em registro. 

Hoje, as mídias digitais e o poder de comunicação das imagens em vídeo são campos férteis para o exercício de “atos falhos”. Todo cuidado é pouco! 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Jackson Vasconcelos é autor do livro “Que Raios de Eleição é essa?”. Disponível para venda AQUI.

Por Jackson Vasconcelos

https://www.travessa.com.br/que-raios-de-eleicao-e-essa-como-sao-as-estrategias-na-politica-e-os-bastidores-de-campanhas-eleitorais/artigo/05857989-929b-45ff-b5ad-e8bff6970129