Política 28/04/2017 às 18:09
Política 18/04/2017 às 14:15

Que raios de eleição é essa?

“César Maia cogita governo do estado…”. Esta notícia em forma de nota presente na coluna Informe do Dia, por obra do Paulo Cappelli e do líder do DEM na Assembleia Legislativa do Estado, deputado Milton Rangel, chega com 11 anos de atraso. César Maia poderia ter sido candidato ao governo em 2006. Não quis. Disse,

A política não é uma ciência exata, como são a física, a matemática ou a química, que causam resultados idênticos sempre que repetidos os processos. Os fatos políticos não produzem os mesmos efeitos, mesmo que repetidos nas mesmas épocas e lugares

A política não é uma ciência exata, como são a física, a matemática ou a química, que causam resultados idênticos sempre que repetidos os processos. Os fatos políticos não produzem os mesmos efeitos, mesmo que repetidos nas mesmas épocas e lugares

Quem disse que caixa 2 é crime?

Você acreditaria se eu provasse que o caixa 2 é crime porque os próprios criminosos assim decidiram? Se não, vamos lá à cadeia de raciocínio. Todas as leis federais, entre elas as leis penais, foram criadas ou passaram pelo Congresso Nacional. Mas, tenham sido criadas ou só tenham passado por lá, todas elas foram aprovadas

O Abutre

Quem trabalha com eleições e defesa da imagem dos políticos deveria assistir, “O Abutre”, filme de 2014, dirigido por Dan Gilroy, tendo Jake Gyllenhaal no papel principal. O enredo é simples, chato, mas esclarecedor. Orientado por um experiente freelancer, que vende imagens de crimes e acidentes com vítimas para telejornais,   o desempregado Louis Bloom (Jake

Que raios de candidatos são Dória e Trump?

Dória, prefeito de São Paulo, para cada dia tem uma imagem impactante. Aparece vestido de gari, visita escolas e hospitais de surpresa. Samba no Sambódromo Paulista. E faz outras estripulias. Em Washington, Donald Trump cria frases de efeito, assina decretos em frente às câmeras. Tudo em nome do marketing pessoal. Nada novo, para um mundo

“Na Loucura do Abel”

Depois de receber muita pancada de uma turma de torcedores, que no Fluminense só faz política e de péssima qualidade, resolvi esquecer o tema com a certeza de que assim eu daria conforto aos aloprados e mais sossego a mim mesmo. Os “donos” da verdade e do clube sequer me deixaram a chance de torcer

Que raios de eleição será a próxima?

Comecei a me preparar para entender o quadro que poderemos ter em 2018, na campanha presidencial. Resolvi cumprir a norma inflexível de Dick Morris, que recomenda a quem queira fazer carreira na política a obrigação de “compreender que outros vieram antes, e que um estudo da história pode evitar muita dor de cabeça”. Fui ao