É hora de fazer pesquisa

Político adora pesquisas… no tempo das campanhas. No intervalo entre elas, nem pensar. Acham caras, absurdamente caras. Normalmente, vaidosos, os políticos adoram as pesquisas que os favoreçam e vêem todo tipo de erro naquelas que mostram as suas desvantagens e fraquezas. Por isso, quem faz pesquisas para os políticos sabe o quanto eles estão determinados

2018 é logo alí

Já está no horizonte a eleição de 2018, que será para deputados federais, estaduais, senadores, governadores e presidente da república. A eleição do ano passado, para vereadores e prefeitos, deixou marcas que precisam ser consideradas no próximo pleito por quem será candidato ou traçará estratégias para as campanhas. Uma das marcas é o paradigma. Até

Imagem e conteúdo

John Fitzgerald Kennedy, Barack Obama e o nosso Juscelino Kubitschek são conteúdos diferentes  com a mesma embalagem: simpatia, charme, oratória de líder cativante e esposas encantadoras. A política é mais imagem que conteúdo e, bons de imagem, os três presidentes atravessam a história com elevados índices de popularidade. Isso agrada ao povo, mas, muitas vezes,

Quem sabe?

Brizola retornou do exílio e venceu a primeira eleição direta para governador do estado, no Rio de Janeiro, em 1982. Os eleitores, na verdade, deram o troco na ditadura. Brizola governou basicamente a cidade do Rio de Janeiro voltado para as favelas e com uma marca criada na educação pelo Vice-Governador Darcy Ribeiro: a presença

Complicada relação com a imprensa

Trabalho com as estratégias que cuidam das imagens dos meus clientes políticos e vejo na relação deles com a imprensa um obstáculo enorme a ultrapassar: o preconceito. Para se ter ideia de como é difícil e complicada a relação do político com a imprensa, sugiro o editorial da Folha de São Paulo, “Haddad de saída”,

Macri, Bombonera ou Casa Rosada?

No futebol não tem conversa. A torcida decide quem é o técnico e faz isso embalado pela emoção pura, sem racionalidade. O cara pode acertar tudo, como fez Abel nos meses finais de 2012, quando carregou o Fluminense no colo até à Taça de Campeão Brasileiro, mas será mandado embora na esquina mais próxima, se